Logo UniCEUB Centro Universitário de Brasília

Repositório Institucional

voltar ao site

Centro Universitário de Brasília - UniCEUB >
DIR - Direito >
DIR - Dissertações >
DIR - Mestrado >

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/123456789/3559

Título: A comunicação social eletrônica no Brasil: marco regulatório e convergência tecnológica
Autor(es): Almeida, Paulo Roberto de
Pinheiro, Guilherme Pereira
Palavras-chave: Comunicação social eletrônica
Regulação
Telecomunicações
Interesse público
Competição
Conteúdo eletrônico
Data do documento: 29-Ago-2012
Resumo: Este trabalho tem o objetivo de explorar o tema da comunicação social eletrônica e a pertinência de sua regulação frente ao interesse público, levando em consideração um cenário de intensa convergência tecnológica. Aparentemente, e é isso que tentaremos investigar, a regulação do setor no Brasil se encontra bastante defasada em relação aos avanços tecnológicos e os impactos dessa desarmonização regulatória têm profundos reflexos no reduzido índice de acesso e na baixa disseminação dos meios de comunicação social eletrônica. A investigação procura, primeiro, determinar se o sistema regulatório brasileiro para a comunicação eletrônica atende de maneira eficiente as demandas econômicas, sociais e culturais de uma sociedade globalizada da informação. Depois, pretende precisar o entendimento constitucional e legal sobre o tema da comunicação social eletrônica dentro do atual contexto de convergência tecnológica. Por fim, procura encontrar as políticas públicas e regras jurídicas que melhor poderiam aperfeiçoar o modelo regulatório dos serviços de telecomunicações que distribuem conteúdo eletrônico no Brasil. Na pesquisa, concluímos que o Estado tem papel regulador relevante no setor de comunicação social eletrônica e que sua atuação deve se manifestar, com parcimônia a prudência, no sentido de atuar como catalisador do fenômeno da convergência tecnológica, mediante a atualização regulatória apropriada para o setor, bem como garantidor das bases estáveis para a competição, sem nunca regular o conteúdo a ser distribuído. Na análise, dois pontos de tensão, dois pólos reveses, estão subjacentes e dialogam dialeticamente: a livre circulação de informações e a atividade estatal interventora na comunicação social eletrônica.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/3559
Aparece nas coleções:DIR - Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
GUILHERME PINHEIRO.pdf1.29 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir

Visualizar estatísticas

Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.