Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/235/5473
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorBizerril Neto, José-
dc.contributor.authorJacob, Ana Paula Pimentel-
dc.date.accessioned2014-09-10T14:00:03Z-
dc.date.available2014-09-10T14:00:03Z-
dc.date.issued2014-09-10-
dc.identifier.urihttps://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/235/5473-
dc.description.abstractA área de cuidados paliativos é entendida pela Organização Mundial da Saúde como uma abordagem com o foco na melhora da qualidade de vida de pacientes que se encontram ameaçados de vida pela sua condição de saúde. Este estudo etnográfico no Hospital de Apoio de Brasília investiga o cotidiano de profissionais que trabalham na unidade de cuidados paliativos e como lidam com a morte no contexto de sua atividade profissional, bem como a relação entre equipe, família e paciente. No trabalho de campo no Hospital, percebeu-se uma interação cooperativa e um trabalho compartilhado constantemente entre os profissionais, classificando o trabalho em equipe como interdisciplinar. A pesquisa teve duração de 2 meses, compreendendo 3 ou mais visitas durante a semana, por um turno. Foram entrevistados: 15 profissionais de saúde (7 técnicos em enfermagem, 7 enfermeiros, 1 assistente social, 1 fisioterapeuta), e totalizou-se 25 participantes (técnicos em enfermagem, enfermeiros, médicos, residentes, psicóloga, assistente social, terapeuta ocupacional, estagiárias de terapia ocupacional, nutricionista, e fisioterapeuta). Durante esse período, faço uma reflexão a respeito da interdisciplinariedade em equipe que foi ressaltada a partir de minha vivência em campo e a partir das narrativas dos participantes. As demais relações com pacientes só são trabalhosas quando esses têm dificuldades em aceitar o cuidado paliativista, e os acompanhantes que muitas vezes terminam por exigir demasiadamente dos profissionais. Além disso, a morte por ser frequente nesse ambiente, demanda do profissional equilíbrio emocional e psíquico constantes, que poderia ser maximizado com a possibilidade de programas institucionais voltados ao cuidado do cuidador. O presente trabalho contribui para reflexões contemporâneas e específicas sobre o funcionamento de uma unidade de cuidados paliativos, tendo-se um campo vasto ainda a ser pesquisado com enfoques similares para aprofundar o conhecimento aqui mostrado ou até mesmo pesquisas diferentes para expressar outras perspectivas.pt_BR
dc.description.provenanceSubmitted by Haia Cristina Rebouças de Almeida (haia.almeida@uniceub.br) on 2014-09-10T14:00:03Z No. of bitstreams: 1 20944612.pdf: 1122502 bytes, checksum: cb873d7b29779fd06ba3de8de158bf4c (MD5)en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2014-09-10T14:00:03Z (GMT). No. of bitstreams: 1 20944612.pdf: 1122502 bytes, checksum: cb873d7b29779fd06ba3de8de158bf4c (MD5)en
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectSaúdept_BR
dc.subjectSubjetividadept_BR
dc.subjectCuidado paliativopt_BR
dc.subjectMortept_BR
dc.titleEtnografia em cuidados paliativos: experiências de profissionais de saúdept_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.date.criacao2014-07-
Appears in Collections:PSI - Graduação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
20944612.pdf1.1 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.