Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/123456789/2622
metadata.dc.type: Monografia
Title: A escola como organização mercantil
Authors: Peraci, Elisângela Moreira
Abstract: Este trabalho desenvolveu-se a partir de uma pesquisa de campo realizada por meio do Programa de Iniciação Científica-PIBIC/CNPq propiciado pelo UNICEUB, com o tema: a articulação entre concepções de infância e de desenvolvimento infantil no contexto escolar. O objetivo do trabalho é examinar se a escola pode ser caracterizada como uma organização mercantil, sendo estruturada pelos ditames econômicos da sociedade centrada no mercado. Foram analisadas as falas de três grupos de pais e três de professores de crianças entre 7 e 11 anos, de escolas públicas e particulares do Distrito Federal e cidades satélites. Observou-se que a escola, na visão dessas pessoas, tem como função primordial preparar as crianças para uma vida futura. Reflexo disso são os discursos de professores que vêem a escola como uma necessidade para a preparação do aluno para o mercado de trabalho. Os pais reafirmam a fala dos professores, acentuando que as escolas devem atender às demandas do mercado de trabalho, mediante cursos extras de idiomas, computação, mediante aquisição de materiais técnicos e métodos eficientes com vistas a dar conta de atender as futuras demandas do mercado de trabalho. Analisando o processo histórico, pôde-se constatar que a educação no período greco-romano tinha ligação direta com o modo de vida daquele povo bem como ao momento histórico e cultural dos gregos e romanos. Por exemplo, em um primeiro momento, a educação era voltada aos feitos heróicos e da vida prática. Ao longo do tempo, a medida que as cidades mais importantes expandiam-se, a educação vincula-se às artes da guerra. Devido a essa expansão da polis grega, surge a Paidéia, esta passa a almejar um sujeito autônomo, reflexivo e filosófico, assumindo um caráter ativo na sociedade. Tais idéias de homem irão manifestar-se em dois modelos distintos e antagônicos: a retórica dos sofistas e a dramaticidade e universalidade da educação em Sócrates e Platão. No auge da cultura Grega, desenvolve-se o modelo helenístico de educação com a busca mais científica e especializada da educação, o modelo de homem é auto-suficiente. Com a queda do império Romano e o inicio da Idade Média, o modelo de educação toma outra configuração, ela desaparece, esconde-se nos mais secretos portões dos mosteiros, sob proteção sempre desconfiada dos monges. A população aprende na ação diária da própria comunidade, a aprendizagem acontece na vida vivida, na atividade com os adultos. Finalmente na modernidade é que surgem os colégios e escolas, com o intuito de cuidar e proteger a criança , civilizando-a. Com a emergência e fortalecimento do capitalismo, a escola toma outra configuração, torna-se uma organização mercantil com características bem delineadas, pois tem como objetivo apenas a atender as demandas do mercado econômico.
URI:  https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/123456789/2622
Issue Date: Dec-2006
Appears in Collections:PSI - Graduação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
20361420.pdf269,41 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.