Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/235/7234
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorTorres, Andreia-
dc.contributor.authorBorges, Thais de Souza-
dc.date.accessioned2015-10-06T13:01:09Z-
dc.date.available2015-10-06T13:01:09Z-
dc.date.issued2012-12-06-
dc.identifier.urihttps://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/235/7234-
dc.description.abstractA busca pelo corpo "perfeito", seja por estética, por melhoria do rendimento físico ou por auto-estima, pode levar muitos indivíduos a cometerem excessos que comprometam a saúde, principalmente no que se refere ao consumo indiscriminado de suplementos alimentares, medicamentos e substâncias proscritas. É comum a confusão entre os usuários acerca dos produtos indicados ou não para consumo e também a razão pela qual marcas aprovadas em outros países são proibidos no Brasil. O objetivo do presente estudo foi comparar as normas brasileiras e americanas relativas aos suplementos dietéticos. Para tanto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre suplementos, visando à revisão e comparação das normas destes dois países e possíveis riscos do uso destes produtos. No Brasil, a regulamentação de suplementos é feita pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e, nos Estados Unidos, pela Food and Drug Administration (FDA). O estudo identificou semelhanças e diferenças entre as normas desses órgãos, demonstrando que muitos suplementos nos EUA são classificados como medicamentos no Brasil e que também nem todo produto ou suplemento aceito para venda nos Estados Unidos é permitido no Brasil. A restrição, no Brasil, de vários ingredientes e substâncias já permitidos em outros países contribui para a comercialização ilegal dos suplementos alimentares no País. Conclui-se que o fato de um suplemento alimentar ser importado não significa que tenha passado por controles de segurança, qualidade e eficácia mais rigorosos do que um produto nacional. Cada país controla esses produtos de maneira específica. Deste modo, destaca-se a importância dos profissionais terem máxima precaução na prescrição deste tipo de produto e, aos usuários, terem máxima atenção ao adquirir estes produtos dentro ou fora do Brasil.pt_BR
dc.description.provenanceSubmitted by Haia Cristina Rebouças de Almeida (haia.almeida@uniceub.br) on 2015-10-06T13:01:09Z No. of bitstreams: 1 TCC 10.pdf: 536256 bytes, checksum: 63fddb15739c1779db25fcf9218cbaa5 (MD5)en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2015-10-06T13:01:09Z (GMT). No. of bitstreams: 1 TCC 10.pdf: 536256 bytes, checksum: 63fddb15739c1779db25fcf9218cbaa5 (MD5) Previous issue date: 2012en
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectSuplementaçãopt_BR
dc.subjectSuplemento alimentarpt_BR
dc.subjectAgência Nacional de Vigilância Sanitáriapt_BR
dc.subjectFood and Drug Administrationpt_BR
dc.subjectLegislaçãopt_BR
dc.subjectSubstância proibidapt_BR
dc.subjectNutricionistapt_BR
dc.titleSimilaridades e divergências entre as normas brasileiras e americanas que regulamentam suplementos dietéticospt_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.date.criacao2012-12-06-
Appears in Collections:NUT - Graduação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC 10.pdf523.69 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.