Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/123456789/2073
metadata.dc.type: Monografia
Title: Os filmes de terror como alegoria para os horrores sociais
Authors: Santos, Jaime Cesar Pacheco Alves dos
Abstract: A filmografia de terror do período de trinta anos que compreendeu as décadas de 1950, 1960 e 1970, acompanhou o medo se aproximar e como a sociedade estadunidense lidava com ele. Na década de 1950, o terror era algo longínquo, que vinha de fora para bagunçar a estrutura social da América. Nesse sentido, o filme Vampiros de Almas de Don Siegel, sintetizou as inseguranças dos Estados Unidos de se render ao regime comunista e a paranóia vigente com a caça às bruxas comandada pelo Senador McCarthy. A década de 1960 começou, então, com a promessa de quebra dos sonhos dourados prometidos na década anterior. As minorias inconformadas com o tratamento desigual, passaram a lutar pelos Direitos Civis e os mais conservadores perceberam que o perigo já não era externo, mas interno. A suplantação do velho pelo novo é um dos sentimentos presentes no filme A Noite dos Mortos-Vivos, de George A. Romero, que retratava as idéias retrógradas como mortos que insistiam em se manter ativos. A aproximação do terror, enfim, atingiu as famílias na década de 1970, em um já esperado choque de gerações que o filme O Exorcista, de William Friedkin representou ao mostrar uma mãe que já não sabia lidar com a própria filha. Usando de alegorias, esses filmes e alguns outros desse período, estreitaram as relações entre ficção e realidade, imprimindo um aspecto documental a essas produções.
URI:  https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/123456789/2073
Issue Date: Jan-2009
Appears in Collections:PUB - Graduação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
20563959.pdf534.93 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.