Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/123456789/2705
metadata.dc.type: Monografia
Title: Limite dos modelos biomédico e biopsicossocial: o caso dos refugiados
Authors: Pereira, Glória Maria Santiago
Abstract: O modelo biopsicossocial é considerado um novo paradigma na área do campo da saúde em contraponto ao dualismo biomédico clássico, o que não ocorre. A questão central deste trabalho é repensar de forma critica sobre as práticas de saúde no atendimento a sujeitos que estão na situação de refugiados no Brasil. Inicialmente é feita uma breve discussão sobre o modelo biomédico tradicional, que continua predominante no campo da saúde, influenciando o modelo biopsicossocial, que não conseguiu romper com a visão biologicista e essencialista referente ao modelo biomédico. Através dos relatos de alguns refugiados foi possível inferir algumas problematizações sobre habituais práticas na área de saúde, como questões relacionadas a fatores culturais e a ausência de constructos teóricos na área de saúde que possibilitem um melhor atendimento a este grupo. Além disso, o modelo biopsicossocial não possui uma argumentação precisa, a produção acadêmica existente é insatisfatória, apesar, de haver na prática, profissionais que se colocam como praticantes do modelo biopsicossocial. Atribuir a variável social não basta, têm que haver um movimento no âmbito acadêmico, que formem profissionais de saúde que se preocupem com o sujeito que está a sua frente e não apenas com o quadro sintomatológico ou na espera de demandas que não chegam. Também deve-se ter uma preocupação em repensar a relação profissional de saúde/paciente, ambos são detentores de um saber e isso deve ser usado de maneira construtiva, entender o contexto sócio-cultural do paciente e principalmente ter uma escuta cuidadosa. Mas, para que isso ocorra, é necessário romper dogmas, entender que existem contextos que os sujeitos não se percebem de forma individualizada, o adoecer liga-se ao sistema cultural em que este está inserido, logo, a idéia de “eu” individualizado não existe. Logo, não basta criar novos modelos de intervenção, como é o caso da visão biopsicossocial, se não houver o rompimento com o modelo biologicista. Existe a necessidade da fomentação de pesquisas na área de saúde que situem realmente o modelo biopsicossocial como um conhecimento diferenciado.
Keywords: Modelo biopsicossocial
Modelo biomédico
Cultura
URI:  https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/123456789/2705
Issue Date: Nov-2007
Appears in Collections:PSI - Graduação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
20489897.pdf183,27 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.