Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/123456789/2988
metadata.dc.type: Monografia
Title: A relação com o outro na construção da psicopatologia sob o enfoque da Gestalt-terapia
Authors: Pinto, Iasmin Santos da Rocha
Abstract: Este trabalho foi desenvolvido no intuito de fazer uma reflexão teórica no enfoque da Gestalt Terapia, acerca da psicopatologia, com ênfase nos aspectos relacionados às interações do indivíduo com o outro, ou seja, com as pessoas significativas, com as quais ele mantém contato ao longo do seu desenvolvimento. O objetivo central foi compreender os tipos de relação que o indivíduo cujo funcionamento psíquico é classificado como patológico, estabelece com o outro, ou seja, entender como o tipo de contato que o indivíduo estabelece com seu meio contribui para o desenvolvimento da psicopatologia. Para isto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre a visão da Gestalt Terapia e da abordagem fenomenológico-existencial a respeito da psicopatologia. Em um primeiro momento, é apresentada uma perspectiva histórico-cultural feita por Michel Foucault sobre o desenvolvimento do conceito de doença mental e sobre os diferentes modos como a psicopatologia foi vista pela sociedade ao longo dos anos. Em seguida, procurou-se expor os conceitos de neurose e psicose de acordo com a abordagem fenomenológicoexistencial e evidenciar os aspectos relacionados ao contato com o outro no desenvolvimento da personalidade patológica na perspectiva da Gestalt Terapia. A partir do estudo realizado, pode-se concluir que a psicopatologia se daria, em parte, em função da submissão do indivíduo às exigências das pessoas com as quais tem contato e mantém algum tipo de dependência. Por não saber lidar com estas exigências de modo a buscar um equilíbrio entre suas necessidades e as expectativas externas, o indivíduo encontra, como única estratégia de sobrevivência possível, a submissão ao outro e a rejeição de suas necessidades organísmicas. À medida que este processo se repete, ele perde cada vez mais a capacidade de distinguir qual é a sua necessidade dominante em cada situação, internalizando completamente as significações dadas por outras pessoas às suas próprias experiências. A falta de contato e de mobilização de energia para a ação, com a conseqüente frustração das necessidades do organismo, impede a auto-regulação e a atualização do self, gerando um funcionamento psíquico patológico. Percebe-se, então, que para que a personalidade desenvolva-se de modo saudável, é preciso que o indivíduo possa ser capaz de fazer escolhas de acordo com suas necessidades, estabelecendo interações com o meio que possam satisfazê-las.
Keywords: Psicopatologia
Relações
Gestalt-terapia
URI:  https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/123456789/2988
Issue Date: Jun-2007
Appears in Collections:PSI - Graduação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
20262215.pdf147.01 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.