Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/123456789/2488
metadata.dc.type: Monografia
Title: Riqueza, abundância e sazonalidade de lagartas em três espécies de plantas em um cerrado de Brasília
Authors: Haidar, Christiane Santos
Abstract: Os dados relativos à riqueza e abundância de lagartas em plantas hospedeiras do cerrado ainda são bastante escassos, apesar do crescimento significativo das pesquisas sobre este tema. Deve-se a isso o fato de que na maioria das vezes são utilizados estudos provenientes de áreas com climas temperados como modelo e comparação. As lagartas são organismos de coleta e monitoramento relativamente fáceis, sendo utilizadas com sucesso em pesquisas de história natural, herbivoria, parasitismo e desenvolvimento animal. A fauna de Lepidoptera do cerrado é pouco conhecida, se comparada aos dados desta ordem para climas temperados e florestas secas de ambientes tropicais. As lagartas foram coletadas ao longo de 13 meses em três plantas hospedeiras características do cerrado sensu stricto, na Fazenda Água Limpa, em Brasília. As plantas selecionadas foram Acosmium dasycarpum (Leguminosae), Arrabidaea brachipoda (Bignoniaceae) e Annona sp. (Annonaceae). As larvas foram criadas até a obtenção do inseto adulto no Laboratório de Ecologia da Universidade de Brasília sem controle de luz, temperatura e umidade. Os insetos adultos (Lepidoptera ou parasitóides) foram montados e identificados. As espécies de plantas A. brachipoda e Annona sp. apresentaram baixa riqueza (nº de espécies) e abundância (= número de plantas com larvas). A leguminosa A. dasycarpum apresentou a maior riqueza observada, com 18 morfoespécies, e abundância de lagartas, com 20,2% de censos com larvas. Annona sp. apresentou 4,1% de abundância, com l0 morfoespécies registradas, enquanto que a planta hospedeira A. brachipoda apresentou sete morfoespécies e também baixa abundância (3,6%). O parasitismo das larvas alcançou 33,3% em uma morfoespécie de Lepidoptera. Os resultados deste trabalho confirmam que as espécies hospedeiras do cerrado sustentam uma alta riqueza e baixa abundância de lagartas ao longo do ano, sendo encontradas tanto larvas raras, com incidência igual ou menor que cinco indivíduos, como larvas comuns, com ocorrência maior que 20 indivíduos anualmente. O estudo também ratificou a variação sazonal de lagartas, encontradas em maior número na estação seca (maio a setembro), período em que a população de parasitóides decresce. Os picos de abundância de larvas também estão relacionados à fenologia foliar das plantashospedeiras.
URI:  https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/123456789/2488
Issue Date: 2001
Appears in Collections:BIO - Graduação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
9920462.pdf612,79 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.