Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/235/7914
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorFerreira, Luiz Cláudio-
dc.contributor.authorGomes, Patrícia Sousa-
dc.date.accessioned2016-02-17T13:39:55Z-
dc.date.available2016-02-17T13:39:55Z-
dc.date.issued2013-
dc.identifier.urihttps://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/235/7914-
dc.description.abstractEste trabalho de conclusão de curso teve como objetivo analisar o discurso da revista Veja a respeito do baixo nível dos reservatórios no final de 2012 e início de 2013. Para isso, foram selecionadas três reportagens publicadas entre dezembro de 2012 e janeiro de 2013, nas quais a revista compara os fatos com os acontecimentos de 2001 e sugere uma nova crise no setor elétrico, com a possibilidade de racionamento de energia. Em 2001, houve um bom relacionamento do governo com a imprensa e o racionamento foi suspenso antes do prazo estabelecido. Nesse contexto, o presente trabalho também busca mostrar que as assessorias de imprensa das organizações precisam estabelecer uma boa interação com os veículos de comunicação, pois eles constantemente se utilizam da memória para reavivar o passado ou suscitar novas crises. Nesse contexto, chegou-se a conclusão que a revista Veja abordou de forma parcial o assunto, pois não levou em consideração os investimentos feitos no setor elétrico ao longo de dez anos e assim trouxe a tona novamente uma crise gerada em outro cenário mais crítico. São poucos os trechos da reportagem que trazem dados oficiais, como o aumento da oferta de energia, o crescimento das termelétricas, etc. Outro fato constatado é que a partir do momento que o racionamento começa a perder força devido ao aumento do nível dos reservatórios, a revista retoma outros gargalos do setor, como o atraso das obras e o alto custo das termelétricas. Ficou evidente que a publicação busca a todo custo gerar uma nova crise e age dessa forma porque vive do inusitado, do que pode causar uma comoção na sociedade. Em suma, as assessorias de imprensa precisam sempre manter um bom relacionamento com os veículos de comunicação, ora para preservar a imagem da instituição, ora para cumprir o seu papel, no caso do serviço público, de prestar um bom serviço ao cidadão.pt_BR
dc.description.provenanceSubmitted by Haia Cristina Rebouças de Almeida (haia.almeida@uniceub.br) on 2016-02-17T13:39:55Z No. of bitstreams: 1 51200225.pdf: 4054858 bytes, checksum: d2c2c9fe1ae5860458059746a5c8fc3a (MD5)en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2016-02-17T13:39:55Z (GMT). No. of bitstreams: 1 51200225.pdf: 4054858 bytes, checksum: d2c2c9fe1ae5860458059746a5c8fc3a (MD5)en
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectComunicação organizacionalpt_BR
dc.subjectAssessoria de imprensapt_BR
dc.subjectGerenciamento de crisept_BR
dc.subjectMemóriapt_BR
dc.subjectMídiapt_BR
dc.subjectSetor elétricopt_BR
dc.subjectRevista Vejapt_BR
dc.titleMemória como elemento de crise: como a Revista Veja recorreu ao racionamento de energia do ano de 2001 em reportagens uma década depoispt_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.date.criacao2013-
Appears in Collections:ADM - Pós-graduação em Gestão da comunicação nas organizações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
51200225.pdf3.96 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.